terça-feira, 28 de outubro de 2008

O nosso tempo...

Tenho asas para voar
E levar-te comigo..

Planar por entre as montanhas...
Planícies... vales e montes do teu corpo...

Ave de fogo sou no teu destino
Meu rumo a cada noite e despertar na madrugada

Sou o respirar que te toca na nuca
Sou o toque dos lábios na tua pele
Solto no teu sentir as palavras que te embalam

Crio um mundo só para nós
Só meu ... só teu .. só nosso
Crio a oitava cor ... dum arco-íris prometido
Dou-te o meu amor... no destino que nos é devido
E por entre beijos nossos e carícias desalinhadas
Soltamos as amarras ... que nos tinham de mãos atadas
Abraçamos os nossos corpos da forma que tu sabes
Enlaçamos o sentir num afago sem fim...
E ainda assim deixaremos tanta coisa por fazer…
E ainda assim deixaremos tanta coisa por dizer…
Mas para isso teremos tempo… o nosso tempo!!!

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

10 comentários:

Afrodite disse...

Gostei! Voltarei!

Abreijos e obrigado pela tua visita no meu cantinho, volta sempre!

Cleo disse...

Lindo, gostoso de passear nas tuas páginas.
Obrigada pela visita.
Beijos.
Cleo

As Chamas do Fénix disse...

Afrodite...

Obrigado ... e volta sempre.

Uma Grande Chama para ti...Beijos

As Chamas do Fénix disse...

Afrodite...

Obrigado ... e volta sempre.

Uma Grande Chama para ti...Beijos

As Chamas do Fénix disse...

Cleo...

Obrigado pela simpatia... volta sempre que sempre serás bem vinda...

Uma Grande Chama para ti...Beijos

Vieira Calado disse...

Pois é!
A única coisa que verdadeiramente é nossa e só nossa, é o nosso tempo.
Isto digo eu no meu poema muito longo, Nu Tempo, de que já coloquei no blog duas estrofes.

Um abraço

As Chamas do Fénix disse...

Vieira Calado...

Vou já passar por lá... ver um pouco do Nu Tempo...


Uma Grande Chama para ti... Abraço

Pearl disse...

Grande esse amor que te faz envolver cada palavra da tua publicaçao!

beijo

As Chamas do Fénix disse...

Pearl...

Grande .... muito grande mesmo...

Uma grande chama para ti ... beijos

nas asas de um anjo disse...

gostei deste poema, intenso e com um quê de romantismo...