terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Fidelidade... Onde???


Não, isto agora vai… vai…vai…Aquecer o Debate…

Segundo a Wiki a fidelidade é “Fidelidade implica
confiança e vice-versa, e essa relação de implicação biunívoca aplica-se quer entre dois sujeitos (humanos), quer entre determinado sujeito e o objecto sob sua consideração, que, a seu turno, também pode ser abstracto ou concreto. Essa co-significação originária mostra-se plena quando se trata de dois sujeitos, ambos com capacidade activa, pois, nesse caso se pode invocar o correlato confiança (<latim cum = "com, a significar em conjunto, ou também" + fidere, fide, fido = "fé, certeza previamente, mutuamente assentida")…

Hoje parece que a Fidelidade é uma palavra que está cada vez mais a ficar oca e sem sentido, as relações evoluíram para um patamar onde as ligações são muito ténues. Parece ser que uma das maiores causas dos Divórcios são as infidelidades (fora os casais que tendo conhecimento da infidelidade, toleram a situação) e como é do conhecimento público a Taxa de Divórcios em Portugal está a subir em flecha, então quer isto dizer que somos uma País de infiéis…????

Há quem seja infiel, pela entrada numa rotina não desejada e que quer dar uma pedrada no charco, há quem seja infiel por tentar encontrar em outro/outra quem os faça sentir vivos, há quem seja infiel porque nunca amou, há quem seja infiel para pagar na mesma moeda, existem inúmeras razões para a infidelidade, quase tantas como para a Fidelidade.

Quem não conhece ou viveu um episódio de infidelidade, surgem nas escolas, serviços, surgem por todo o lado, mas porquê?

É sobre este tema que quero ouvir e discutir as vossas opiniões…”Portugal é um País entregue à Infidelidade?”

Vamos lá amigos… cheguem-lhe obra…

Beijos e Abraços
Das Chamas da Fénix

9 comentários:

Brisa disse...

Ser fiel implica esforço, abertura de espírito, liberdade e compreensão. Quem não estiver disponível para aceitar o outro no seu pleno, terá tendência para andar sempre de olho na galinha da vizinha. Mas, primeiro, seremos ou não fiéis a nós próprios, às nossas convicções. Se essa base estiver dentro de nós, partir-se-á para uma relação com uma estrutura muito mais sólida e, consequentemente, estável. Depois, também me parece que se tem de encarar que eventualmente um dia as coisas podem acabar. Logo, mais vale um ponto final que um par de cornos! Assumir isto é igualmente doloroso e um acto de coragem. Se hoje em dia há muita infidelidade o problema estará, com certeza, mais na pessoa do que na relação. E, assim sendo, não será apenas o caso português.

Atever disse...

Do ponto de vista dos muçulmanos, não há dúvida que somos uma cambada de infiéis (eheh).
Do meu ponto de vista a fidelidade deve ser exigida aos cães. Entre parceiros a "coisa" deve ser vista mais da perspectiva da confiança mútua. Mas quando se vive trinta anos com um parceiro/a e não se conseguem níveis de confiança suficientes para a estabilidade de uma relação, então acho que alguém anda à procura de uma relação de fidelidade.
Tem bom remédio: adopte um cão! Eheheh
Abraço.

SílviA disse...

Olha...sei lá.

Primeiro que tudo fiel aos meus principios e a mim propria. Eu nao sou capaz de trair ninguem, até hoje, prefiro acabar as relaçoes quando vejo que está por um fio que me envolva com outro, quanto aos outros isso é lá com eles.lol. Não me aquece nem arrefece.

Bem, e acho que sim...Portugal está cada vez mais entregue à infedilidade, em todos os sentidos...

Rita disse...

Pois é este é um tema para aquecer. A meu ver a coisa é assim Portugal não é nem deixa de ser um País de infiéis. Somos tanto ou tão pouco como todos os outros, afinal de contas somos todos da mesma espécie e com o mesmo código genético. Também não é o caso de haver mais infidelidade hoje do que houve à décadas atrás, o que está diferente é que antigamente as mulheres comiam e calavam e hoje em dia não só não se calam como respondem com a mesma moeda. E também há infidelidades e infidelidades, há amantes de anos (vidas paralelas) e há quecas de circunstância (one night stand), acho que são situações completamente diferentes. Além disso toda a gente sabe que sexo e amor são duas coisas completamente diferentes...
Jokas

Sofia G. disse...

Existem muitos divórcios não apenas devidos à infidelidade.O nosso país está a mudar..As mulheres estão a ficar independentes financeiramente o que condiciona mentalidades.
As pessoas querem que as mulheres sejam mães,esposas dedicadas,fadas do lar,empresárias e super modelos.E Claro isso não é possível...A corda tem de rebentar.

A racionalidade e a inteligência distinguem nos dos animais e mesmo assim existem vários animais que acasalam para toda a vida.

A fidelidade é uma grande prova de se ser ser humano e não animal.

jinhos

Gerlane disse...

Meu caro,

Eis um assunto extremamente polêmico. Creio eu, que não é Portugal um país de destaque no que se refere a esse comportamento. Pessoalmente, acredito que isso seja mais um reflexo, dentre tantos, da mudança de comportamentos nos chamados tempos modernos.
Os motivos, são os mais diversos, independente de gênero, raça, etc.
Tenho amigos, inclusive, de ambos os sexos, que julgam antiquado à quem não se permite ser infiel.
Todavia, a não ser que algo aconteça para me fazer mudar de idéia e, respeitando a individualidade de cada um, declaro que, estando eu satisfeita com a minha relação amorosa, não tenho motivos para trair, porque se esses motivos surgirem, é bem melhor dar a relação por finalizada e, como se diz no Brasil: partir para outra!

Beijos pra ti!

Mando disse...

Olá
Isto é assim, não podemos afirmar que a infidelidade "hoje" tá muito em voga! pois infedelidade sempre existiu, não é de hoje não é de ontem é de sempre, e enquanto por cá andarmos(Seres Humanos) ela existirá...quanto á sensação de que hoje há mais infedelidade isso é facil de explicar, hoje estamos perante uma sociedade mais livre no pensamento, pensa-se mais nestes assuntos, logo temos a ideia de que "hoje" há mais!

Dou um exemplo:
"...esta sociedade está cada vez mais podre, os jovens já não tem respeito pelos mais velhos..."
Kd é que acham k foi escrita esta frase? 200ee, não! foi um achado egipcio!!!

sei que fugi um pouco ao assunto, mas um pouco de divagações nunca fez mal a ninguem...:)

apenas rresponder á questão …”Portugal é um País entregue à Infidelidade?” na minha humilde opinião acho que não!...


...Abraço do Mando...

Maria Manuela (M&M) disse...

Que essa coisa da infidelidade seja recente... dúvido

Porque acontece? Porque as pessoas teimam em tirar o melhor partido de dois mundos (o que regra geral pode funcionar durante algum tempo mas não funciona sempre), porque manter uma relação dá traabalho e as pessoas nem sempre estão para aí e viradas e porque enquanto o pau vai e vem folgam as costas, ou sejam as pessoas tendem a manter uma relação com outra pessoas diferente daquela com quem casaram ou vivem porque já não se sentem bem mas também não têm coragem para assumir rupturas, ou porque a relação extra conjugal (ou extra relação mais duradoura) não passa de um fait divers...

pelo caminho ninguém fica a ganhar, principalmete quem não quis saltar e depois a um dado momento percebe que afinal de tanto querer tirar o melhor partido de ambas as situações ficou com uma mão cheia de nada....

Mas esta é a minha opinião.

beijos

H-RRA disse...

Olá...

Como todos já disseram,e tb é a minha opinião, a fidelidade não é de hoje nem tão pouco irá acabar. Perdoamos a infedilidade de um amigo(a), mas não perdoamos a do parceiro(a), Porque será??? São diferentes?? Talvez sim, talvez não... Depende sempre do grau, da intensidade.
Agora, nao vejo logica nenhuma ser infiel quando sozinho se pode ter o que se quiser, desde que não vá contra os próprios principios.
Não é o caso de ser infiel que vivemos, parece que a pessoa que é infiel é considerado uma pessoa fixe, capaz, mais esperto que os outros, com muito sexappeal...
Quantos às mulheres preferiram seguir o pior caminho, passaram a ser infieis como os homens, ok deixaram de ser cuitadinhas, mas um grande exemplo na vossa evolução humana.
Há uma grande diferença entre as palavras ou pensamentos e os actos, por isso obviamente que não aceito uma infedilidade.
Mesmo quem diz que aceita, quando o sentir na pele certamente que mudará de opinião.
E não estou a falar de LEALDADE, pois isso daria para outros texto...

Abraço