segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Luta de Galos


Guerreiro em ascensão
Instiga a pulsação
Sobe em ti o instinto
Momento distinto
Pupilas dilatadas
Ventas escancaradas
Punhos cerrados
Beligerantes armados
Adrenalina pura
Genuína loucura
Peles rasgadas
Gargantas desgarradas
A terra como arena
Leão contra hiena
Galo contra Galo
Não há rei nem vassalo
Um contra um
No tempo de nenhum
Imersão da dor…
Vermelha a sua cor…
Até ao tombar… de um bravo
Sem que nenhum jaza escravo…

Beijos e Abraços
Das Chamas do Fénix

6 comentários:

Shakti disse...

Pois...consta para ai .algures por este mundo que num galinheiro apenas manda um galo..depois dá nestas lutas...que por vezes podiam ser desnecessárias...

bjs

mando disse...

grande guerreiro esse do poema...

abraço...do mando...

Fénix disse...

As situações que nos rodeiam estimulam-nos a escrever sobre elas... Fico curioso em saber o que despertou/motivou este poema em ti. Um simples olhar agressivo? Um insulto no meio da rua?
O poema é fluente e "limpo", não parece ter interferências de sentimento daí não pensar que seja referente a algo relacionado contigo mas sim com algo exterior…
(Vou vendo o blog só agora consegui aqui vir ;) )

As Chamas do Fénix disse...

Shakti…

Pois diz que consta…

Uma grande Chama para ti… Beijos

As Chamas do Fénix disse...

Mando...

Nem por isso mando, não é grande.

Uma Grande Chama para ti…Abraço

As Chamas do Fénix disse...

Fénix...

Por vezes qualquer motivo…é o suficiente… Já viste alguma vez o filme “Um dia de Fúria” com o Michael Douglas e Robert Duvall, um homem simples entra numa dramática espiral de violência.
Como diria Murphy “Se alguma coisa pode sair mal, sairá. E mais, sairá mal da pior maneira, no pior momento e de modo que cause o maior dano possível”.

Uma Grande Chama para ti... Abraço